terça-feira, 6 de junho de 2017

Rituais Individuais e Liturgias - Liturgia


Texto de Uther

Eu raramente escrevo no facebook, mas aqui acredito que valha elucidar alguns pontos sobre "esta tal da liturgia", e de antemão peço desculpas pelo texto longo mas eu ainda estou aprendendo a escrever o que penso.

A palavra liturgia conforme o dicionário e a prática, dá nome ao conjunto de regras de etiqueta ( etiqueta = pequena ética ) de uma religião, a liturgia católica por exemplo diz o momento em que seus fieis devem levantar, cantar, bater palmas, se abraçar, fazer silêncio, a cor ou posição da estola, etc etc etc.


Quando o BDSM começou a se firmar como movimento e começou a organizar-se, viu que esta palavra significava exatamente o que eles queriam demonstrar, ou seja, a liturgia no BDSM tem a função clara e prática de ser um código de etiqueta ( ética ) e como todo código ético visa organizar a vida das pessoas em comunidade.

Vale lembrar que ética não é moral, enquanto moral é um olhar individual sobre o que você não faria mesmo que não tenha ninguém olhando, a ética é um olhar coletivo, é a inteligência coletiva trabalhando para o bom convívio das pessoas.

Assim eu posso definir a liturgia BDSM como:

Liturgia BDSM compreende o conjunto de ritos e etiquetas que tem como principal finalidade ordenar os espaços de convívio entre os participantes de BDSM.

Convivo no meio BDSM há bastante tempo, faz quase 20 anos que fui ao Valhala conhecer pessoas que já conversava em chat ( terra e Uol ) como a Sra. Bárbara Reine, Senhora Bela e muitas outras pessoas que compunham o Grupo SoMos (ao qual nunca fiz parte, apenas conheci os participantes), nunca precisei conceituar o que era liturgia porque o ambiente ali era assim, tínhamos horas de rir muito nas mesas, e horas de seriedade nas demonstrações. A liturgia sempre foi muito prática, natural, lógica e presente.

Muitos reclamam que não há uma liturgia escrita mas é fácil de entender que há uma impossibilidade atual de haver apenas um código de ética para tudo, pois o que serve para o bom convívio de médicos não serve para o bom convívio de advogados, aliás cada empresa cria seu próprio código de ética conforme sua realidade, a simples existência de diferenças regionais podem diferenciar o que serve para o convívio dos BDSMers em suas comunidades, ainda sim existem alguns itens que posso citar pois até o momento são comuns em todo contato litúrgico que tive.

1 - ( e mais conhecido ) Pronomes de tratamento. O BDSM é uma escada com 3 degraus, no mais abaixo estão os Bottomns ( submissxs, masoquistas , bondagetes ( quem é amarrado )) e devem tratar com respeito (não obediência) quem ocupa os degraus acima, normalmente utilizando o termo Senhor ou Senhora. No degrau do meio estão os SW e no mais acima os Tops (sádicos, dominadores, bondagistas (quem amarra, priva, prende , lembrando que shibari é uma das variações de bondage ))

2 - Respeito a esta escada, ou seja, respeito a hierarquia. A preferência de tudo é sempre de quem está no degrau acima, este parâmetro pode ser usado para determinar o desenrolar de todo convívio social. 

Vou citar alguns exemplos:
  • Uma submissa não deve ir a uma festa com maquiagem pesada, roupas muito chamativas, e em alguns casos evitar salto, isso porque os adornos de beleza devem ser prioridade para aquele que domina. É para ir feia? Nãoooooo!!!! Apenas para não se vestir como Dommes se vestem. Caso seja uma escrava ( tenha coleira ) vá vestida conforme indicação do Dono.
  • No deslocamento de um cômodo a outro por exemplo, dar preferência aos que dominam, para que eles no ambiente novo escolham o lugar que vão ficar, e depois a submissa se acomoda.
  • Um sub não vai sentar no trono, e mesmo entre dominantes, se só há um trono é de bom tom deixar este para o anfitrião, ou dominante mais reconhecido por aquele grupo.
Posso ficar a tarde inteira dando exemplos, mas o importante é o conceito, dar preferência e não oferecer obediência.

3 - Ritos servem para determinar um momento importante, com o qual você queira compartilhar com a comunidade em que você vive, como por exemplo, um encoleiramento, e se continuar a escrever o texto, de imenso vai ficar ainda maior. Mas espero que tenha ficado claro com estes exemplos práticos que a liturgia é perfeitamente aplicável no nosso universo.

Para finalizar, vale ressaltar que toda este etiqueta apesar de ter uma destinação muito clara que é a convivência das pessoas serve muito bem para o relacionamento privado entre aquele que domina e aquele que é dominado, proporcionando a quem usa a possibilidade de viver uma experiência ainda mais rica e intensa.



*Originalmente escrito num debate no Facebook.

Nenhum comentário:

Postar um comentário